Univesidade Federal de Lavras

Universidade Federal de Lavras Ensino | Pesquisa | Extensão

 
 

PROJETO WIKIPÉDIA

Versão PDF Proposta de novo texto para o termo Engenharia de Controle e Automação na Wikipédia (pt).
 
Autoria: Estudantes do primeiro período do curso de Eng Ctrl Aut da UFLA (II 2009)
Professores:
       Roberto Alves Braga Jr,
       Bruno Henrique Groenner Barbosa

 

QUAL NOME ESCOLHER?

Há uma certa dúvida sobre a engenharia de Controle e Automação e aquela conhecida como Mecatrônica. Deve ser dito que Engenharia de Controle e Automação é um curso reconhecido pelo MEC e pelo CONFEA (Conselho Federal de Engenharia e Arquitetura, que corresponde ao conjunto dos CREAs), ao passo que Mecatrônica, do ponto de vista legal, é um nome "fantasia". Isto é, um aluno formado neste último curso não receberá, de acordo com a lei vigente, o diploma de Engenheiro Mecatrônico, e sim de Engenheiro de Controle e Automação, pois esta profissão não é reconhecida nem pelo MEC nem pelo CONFEA.

 

O CURSO

O currículo do curso está organizado em três núcleos.

O básico é formado por disciplinas de matemática, química, física, mecânica dos sólidos, informática, materiais, humanas, ambientais, administrativas, econômicas e de expressão gráfica.

O profissionalizante genérico compreende disciplinas de análise de sistemas, mecânica aplicada, eletricidade e eletrônica, modelagem, simulação de sistemas físicos.

As disciplinas do núcleo profissionalizante específico apresentam conteúdos sobre gestão de tecnologia, instrumentação para automação e controle, processos e sistemas de fabricação, automação da manufatura e controle de sistemas. Esse controle se baseia na programação de máquinas, no monitoramento e aperfeiçoamento do desempenho de processos e adaptações de softwares, com a finalidade de reduzir custos e prazos, aumentar a segurança da produção além de melhorar a qualidade dos produtos e da produtividade de empresas dos mais variados ramos.

 

HISTÓRICO DO CURSO

O surgimento da Engenharia de Controle e Automação é uma tendência observada há muito tempo.

Desde o surgimento dos primeiros relógios mecânicos, até as primeiras máquinas a vapor já se notava uma evolução gigantesca e rápida na área da automação.

A revolução industrial gerou profundo impacto no processo produtivo e no desempenho industrial e a Engenharia de Controle e Automação passou a ter um papel decisivo.

A tecnologia de Controle gerou um grande aumento na competitividade nas mais diversas áreas enquanto que a Automatização dos processos aumentou significativamente a produtividade e qualidade dos produtos.

Um grande crescimento na demanda por tecnologia ocorreu e ainda ocorre motivado pela indústria bélica, em especial no século 20 com as duas grandes guerras mundiais, mas um exemplo de como a engenharia de controle e automação está presente de forma construtiva em nossas vidas se dá pela evolução de nossos meios de transporte. A indústria automobilística é um bom exemplo de como este setor cria desafios e soluções por meio de desenvolvimento de tecnologia de ponta.

Um outro exemplo mais recente da evolução do Controle e Automação é na área espacial, devido a necessidade de construção de sistemas de controle precisos e de alta complexidade para guiar os foguetes, sondas e naves espaciais.

 

ATRIBUIÇÕES PROFISSIONAIS

O Engenheiro de Controle e Automação recebe a seguinte designação profissional do CONFEA:

  • Grupo: 1 Engenharia
  • Modalidade: 2 Eletricista
  • Nível: 1 Graduação
  • Código: 121-03-00
  • Título: Engenheiro de Controle e Automação

Destaca-se que a estrutura do Curso foi concebida para que o aluno receba atribuição profissional básica semelhante aos Engenheiros Eletricistas, com ênfase nas seguintes áreas de atuação:

  • controle e automação de processos;
  • informática industrial;
  • engenharia de sistemas e produtos.

Nessas áreas, o Engenheiro de Controle e Automação recebe atribuições para exercer 18 tipos de atividades:

  • supervisão, coordenação e orientação técnica;
  • estudo, planejamento, projeto e especificações;
  • estudo de viabilidade técnico-econômica;
  • assistência, assessoria e consultoria;
  • direção de obra e serviço técnico;
  • vistoria, perícia, avaliação, arbitramento, laudo e parecer técnico;
  • desempenho de cargo e função técnica;
  • ensino, pesquisa, análise, experimentação, ensaio e divulgação técnica; extensão;
  • elaboração de orçamento;
  • padronização, mensuração e controle de qualidade
  • execução de obra e serviço técnico;
  • fiscalização de obra e serviço técnico;
  • produção técnica e especializada;
  • condução de trabalho técnico;
  • condução de equipe de instalação, montagem, operação, reparo ou manutenção;
  • execução de instalação, montagem e reparo;
  • operação e manutenção de equipamento e instalação;
  • execução de desenho técnico.
 

FORMAÇÃO DO ENGENHEIRO

Sistemas Discretos e Contínuos, Métodos e Processos Eletroeletrônicos e Eletromecânicos de Controle e Automação.

Controle Lógico-Programável, Automação de Equipamentos, Processos, Unidades e Sistemas de Produção.

Administração, Integração e Avaliação de Sistemas de Fabricação.

Instalações, Equipamentos, Componentes e Dispositivos Mecânicos, Elétricos, Eletrônicos, Magnéticos e Ópticos nos Campos de Atuação da Engenharia.

Robótica.

Sistemas de Manufatura. Automação da Manufatura. Projeto e Fabricação Assistidos por Computador. Integração do Processo de Projeto e Manufatura. Redes e Protocolos de Comunicação Industrial.

Sistemas de Controle Automático de Equipamentos. Comando Numérico e Máquinas e Produtos de Operação Autônoma.

Ferramentas e Métodos Apoiados em Inteligência Artificial.

Sistemas, Métodos e Processos Computacionais para Planejamento, Dimensionamento e Verificação para o Desenvolvimento de Produtos de Controle e Automação. Ciclo de Vida de Produtos.

Sistemas, Processos e Produtos Complexos. Micro-eletromecânica e Nano-eletromecânica.

 

MERCADO DE TRABALHO

A engenharia de Controle e Automação é uma área meio, ou seja, a mesma utiliza técnicas que são básicas para toda engenharia, além de ser instrumento para aplicação em quase todas as áreas do conhecimento.

A ECA (ou ECT) tem um caráter multidisciplinar que permite que atuação em diversos setores como na bioengenharia, na área espacial, de metalurgia e siderurgia, na apropecuária, ou seja, onde se faça necessário o controle de um processo produtivo ou não (normalmente chamado de planta).

Pela característica de área meio, a ECT também permite ao egresso uma atuação em serviços de engenharia e consultoria especializada, em firmas ou de forma autônoma.

O mercado de trabalho é crescente abrangendo todos os setores da indústria já citados, nos quais a automação é uma necessidade quando se busca maior competitividade (redução de custos e melhoria da qualidade de produção).

Entretanto, a indústria não é a única área onde o engenheiro de controle e automação pode atuar, ele pode optar por áreas como pesquisa, automação predial e automação comercial. Além disso, quem prefere agir como autônomo pode desenvolver projetos de automação.

 

UNIVERSIDADES COM O CURSO

Estaduais:

  • Universidade Estadual de Campinas.
  • Universidade de São Paulo:
    • São Paulo
    • São Carlos
  • Universidade de Pernambuco.
  • Universidade Estadual Paulista.
  • Universidade do Estado do Amazonas.

Federais:

  • Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca
    • Rio de Janeiro/RJ
    • Nova Iguaçu/RJ
  • Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais
    • Divinópolis/MG
    • Leopoldina/MG
    • Araxá/MG
  • Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás
  • Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Pará
  • Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Espírito Santo
  • Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Fluminense
    • Campus principal
    • Macaé
  • Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará
  • Universidade Federal de Minas Gerais
  • Universidade Federal de Santa Catarina
  • Universidade Federal de Santa Maria
  • Universidade Federal do Rio de Janeiro
  • Universidade Federal de Ouro Preto
  • Universidade Federal de Itajubá
  • Universidade Federal de Lavras
  • Universidade de Brasília
  • Universidade de Brasília (Campus Universitário Prof. Darcy Ribeiro)
  • Universidade Federal de Santa Catarina (Campus principal)
  • Universidade Federal de Uberlândia
  • Universidade Federal de São João del-Rei
  • Universidade Federal do Rio Grande do Sul
  • Universidade Federal da Bahia
  • Universidade Federal do Rio Grande
 

DISTRIBUIÇÃO NO CURSO DO BRASIL

Distribuição do curso em regiões:

 
 
2010 © Desenvolvimento e Manutenção: SWFactory Consultoria e Sistemas Ltda.